Sexo, sangue e rock & roll – Fatos e boatos do mundo sobrenatural (***)

SEXO, SANGUE E ROCK & ROLL – FATOS E BOATOS DO MUNDO SOBRENATURAL (***)

Bem-vindos, amigos de sangue

Bem-vindos, amigos de sangue. Este blog foi feito para pessoas – ops! – mortos-vivos como eu que gostam de jogar conversa fora sobre o nosso universo: o mundo dos bebedores de sangue “de verdade” e também da ficção. Enfim, é um espaço para uma boa conversa fiada regada a muitas taças de sangue e pescocinhos na mira da webcam (ai!). Entre e dê uma mordidinha...

sexta-feira, 4 de junho de 2010

Yes, nós temos lobisomem...


Já que estamos diante de uma nova invasão de lobisomens (desta vez na telinha, por conta da terceira temporada da série True Blood, do canal pago HBO), é bom lembrar que sim, nós temos homens-lobo no Brasil. Ou seja, não é só nos arredores de Bon Temps, Louisiana, ou em Forks, Washington, que essas criaturas dão a cara pra bater. Pois então: a cidade de Joanópolis, em São Paulo, é conhecida como a Capital do Lobisomem. "Mas, como a cidade ganhou essa alcunha?", o(a) caro(a) leitor(a) deve estar se perguntando. O município, como poucos no País, cultiva suas raízes culturais, que são passadas de geração em geração. E dentre todas as criaturas que fazem parte do folclore nacional, o lobisomem sempre foi tema recorrente entre os moradores da cidade. E esse fato foi trazido à tona pela primeira vez na década de 80 do século passado. Veja o que diz o site oficial da Estância Turística de Joanópolis (www.joanopolis.com.br) sobre isso:
"No ano de 1983, a folclorista Maria do Rosário de Souza Tavares de Lima, descendente de nossa cidade e membro da Escola do Folclore de São Paulo resolveu pesquisar, catalogar e transformar em livro o lobisomem de nossa região com o titulo de: Lobisomem: assombração e realidade. O livro caiu como uma bomba sobre Joanópolis e em algumas centrais de jornalismo; foi um comentário geral, entre muita discussão e controvérsias, o lobisomem renascia, não mais nas encruzilhadas, mas sim na discussão do dia-a-dia daquele ano. Em abril de 1984, o jornal O Estado de São Paulo publica um artigo onde afirma que Joanópolis poderia ser considerada A Capital do Lobisomem. Ainda vieram para cá a Rede Globo com o programa Fantástico e a Rede Record. O Lobisomem marketing parece ser cíclico, pois em 1998 ele voltou à tona com força total através do comercial sobre folclore do grupo McDonald's, no qual figuraram pessoas de nossa cidade. Surge com um grupo de amigos a Lobomania, confeccionando camisetas, adesivos (patrocinados por diversos comerciantes) e produzindo noites do lobisomem no clube local, criando uma associação, conhecida como A.C.L. - Associação dos Criadores de Lobisomens. O Piracaia Jornal e a Radio Cultural FM (105,9) abriram um espaço especial para o lobisomem. A escola de informática InforSchool e outros aderiram à Capital do Lobisomem. O artesão Marcos Bueno (www.lobisomem.net) iniciou a confecção dos Lobisomens da Sorte, os quais são um sucesso comprovado. Nossa proposta não é mostrar um lobisomem mau, mas sim uma figura simpática, que por séculos incorpora diversos elementos culturais, trazendo em seu bojo muita informação sobre o passado. O seu lado fera, agora passa a ser incorporado nos esportes radicais, na preservação da natureza e na divulgação de nossas tradições. Quando você adquirir ou se defrontar com um dos nossos lobisomens, pense que ele é um elemento cultural, uma síntese de nossos costumes, a metamorfose do homem, que nunca é estático, aquele que é livre como o lobo, que se um dia tiver sua liberdade ameaçada vira fera!"
Já o Portal de Joanópolis (www.portaldejoanopolis.com.br), além dessas explicações, também traz um tópico interessante sobre histórias de lobisomem, o qual também reproduzo abaixo:
"Eis o que conta o folclore: Quando um casal tem sete filhos, todos do sexo masculino, precisa dar o mais novo para que o mais velho o batize, a fim de evitar que um deles se torne lobisomem (tratando-se de mulheres, uma será bruxa, se não for igualmente batizada pela irmã mais velha). Homens amarelos, pálidos e esquálidos (magricelos) são tidos como lobisomens. De quinta para sexta-feira é que, os que tem sina, viram lobisomem ou bruxa. Havia uma senhora que saiu com seu marido levando nos braços seu filho pequeno envolto num cuero de baeta vermelha. Depois de terem viajado alguns dias, seu marido lhe disse uma noite: 'Olhe, fique com este cacete, caso algum animal a ataque, surre-o com pancadas'. E saiu dizendo que tinha necessidade de ir a um lugar perto dali. Não demorou muito e a mulher foi atacada por um cão muito grande. Defendeu-se, com bravura, quando vira que o cão atacou a criança envolta no cueiro. Com as cacetadas, conseguiu ferir o cão que ao sentir que seu sangue saia pela ferida fugiu. Ela percebeu que algum animal espojou-se por ali, e logo em alguns minutos seu marido reapareceu com um ferimento no supercílio que sangrava. Ela cuidou dele, e foram dormir. No outro dia, quando estavam conversando a mulher percebeu que ainda restavam fiapos de cueiro entre os dentes do marido, e ficou sabendo que ele era lobisomem. Entretanto, porque tirara-lhe sangue com as cacetadas, o encanto fora quebrado e ele nunca mais se transformou em lobisomem. O lobisomem sai às sextas-feiras, e quando é gente branca, vira cachorro preto e quando é gente preta, vira cachorro branco e sai às noites de quinta-feira para comer fezes de galinha. Em caso de não encontrar um galinheiro, procura crianças para lamber-lhes os cueiros e fraldas. No entanto, eles só podem ser encontrados antes que o galo cante. Porque quando o galo canta, quebra todo o encanto (temporariamente). Eis porque os caipiras deitam-se cedo e levantam-se após o galo cantar... estão evitando encontrar um lobisomem..."
P.S.: E viva Joanópolis!!!

7 comentários:

  1. Não te disse onde moro não é? Pois bem. Moro em Pernambuco.... onde a cultura das histórias do mato ainda existe... Te disse que me apaixonei por um lobisomem né... mas isso é outra história... Na verdade aqui se tem esses tipos de aparições como também o " Correr bicho", a "Comadre Florzinha" e outros. O lobisomem às vezes aparece também... e nenhum desses é brincadeira não.. apesar de que a cidade e a modernidade está engolindo essas coisas.

    ResponderExcluir
  2. É uma loucura o que a modernidade faz com os mitos. Mas, aqui em Campinas (SP), onde moro, cidade grande que é considerada um polo de alta tecnologia e cuja economia só perde para a capital São Paulo, tem um pessoal que faz de tudo para manter vivos os mitos do folclore. Por exemplo: no dia 31 de outubro, o tradicional Dia das Bruxas, aqui se celebra também o Dia do Saci, com direito a festas e tudo o mais. Acho isso fundamental: a gente tem que aprender a respeitar os nossos mitos e perder aquele complexo terceiro-mundista de que mito bom é mito "importado". Aliás, existe até a Associação dos Criadores de Saci, que também surgiu aqui no Interior de São Paulo. É um pessoal que leva essa história muito sério, mas de um jeito bem divertido.

    ResponderExcluir
  3. Isso é um mito mais, blog legal!

    ResponderExcluir
  4. Super especial essa postagem sobre os lobisomens da cidade de Joanópolis!!!!! Desde que eu era pequeno, sempre curti contos e fatos sobre lobisomens. Já ouvi relatos de amigos e até gente do meu parentesco sobre aparições de lobisomens aqui em São Paulo, e no Paraná. O Lobisomem continua sendo o mais lendário ser do nosso folclore. Espero ver mais postagens fantásticas quanto esta. Maravilha!!!!!

    ResponderExcluir
  5. Estou procurando uma pessoa que mora em Joanopolis ela se chama Denise Poli tem uma prima que tem um camping chamado Remanso do Jaguari.

    ResponderExcluir