Sexo, sangue e rock & roll – Fatos e boatos do mundo sobrenatural (***)

SEXO, SANGUE E ROCK & ROLL – FATOS E BOATOS DO MUNDO SOBRENATURAL (***)

Bem-vindos, amigos de sangue

Bem-vindos, amigos de sangue. Este blog foi feito para pessoas – ops! – mortos-vivos como eu que gostam de jogar conversa fora sobre o nosso universo: o mundo dos bebedores de sangue “de verdade” e também da ficção. Enfim, é um espaço para uma boa conversa fiada regada a muitas taças de sangue e pescocinhos na mira da webcam (ai!). Entre e dê uma mordidinha...

segunda-feira, 24 de maio de 2010

O pior filme de vampiro todos os tempos


Sem dúvida, é A Rainha dos Condenados (Queen of the Damned, 2002). Dirigido por Michael Rymer, o longa estrelado por Stuart Towsend (na pele do vampiro Lestat) e pela cantora Aaliyah (a rainha Akasha) praticamente assassinou o livro de Anne Rice no qual é baseado, obra que fecha a trilogia original das crônicas vampirescas da escritora estreladas por Lestat (embora, alguns anos depois, ela tenha colocado Lestat como protagonista de A História do Ladrão de Corpos). Sim, eu sei que adaptar livro para o cinema é difícil, são duas linguagens diferentes. Mas, o filme é ruim mesmo, a interpretação é péssima e os "defeitos especiais" saltam na tela por conta do baixo orçamento. A forma como os atores falam (ou tentam falar) com as dentaduras de vampiro é patética, especialmente a rainha Akasha. Já dei o meu voto. O que vocês acham?
P.S.: Será que algum um dia alguém vai filmar O Vampiro Lestat? Tá certo, a tarefa é árdua, principalmente se levado em conta o final dado, no cinema, a Entrevista com o Vampiro. Quem leu o livro de Anne Rice sabe que Lestat (Tom Cruise no longa) não "volta à vida" daquela forma (ou seja, pulando no carro do jornalista vivido por Christian Slater). Na verdade, Lestat só decide dar o ar da graça já no segundo volume das crônicas. Ele, que desiludido decidiu se enterrar, começa a ouvir o seu nome usado em vão, por conta do sucesso do livro Entrevista com o Vampiro. Assim, ele sai da tumba, se fortalece (primeiro comendo uns bichinhos, depois sugando alguns pescocinhos) enquanto nos conta a sua versão da história e, só então, arquiteta o seu retorno na pele de um astro de rock. Mas, enfim, não custa esperar...

10 comentários:

  1. Também tive a mesma impressão. Faz anoa que assiti ao filme a esperava muito mais dele.

    ResponderExcluir
  2. Infelizmente, perderam a oportunidade de fazer um bom filme...

    ResponderExcluir
  3. A cantora Aaliyah, se estivesse viva na época do filme, provavelmente se arrependeria se visse o resultado... pelo menos a coitada morreu no auge.

    ResponderExcluir
  4. Eu gostei do filme. Eu vi ele antes de ler os livros, e gostei. É claro que não está perfeito, mas ainda assim, quando o vi, ignorante à história de Rice, eu gostei. Mais tarde, é que associei ao filme da "Entrevista com o vampiro", e recentemente é que li as obras. Estou lendo agora a História do Ladrão de corpos. Eu tornei-me fã de Anne Rice e de seu universo vampirico, e, acabei por ter que concordar, tal como todo o fã das obras de Rice, que o filme, apesar de numa perspectiva individual às obras não ser assim tão ruim, quando visto depois de estar a par da obra em si, é de facto um assassinato da magnificiência da história de Rice.
    Mas, ainda sou da opinião que a Aaliyah foi, sem dúvida, a actriz que mais se poderia adequar a Akasha. Não só pela cor da pele, mas pelo seu todo. Ainda hoje se falo ou critico as obras, quando me falam em Akasha, vem-me a imagem de Aaliyah.

    ^^
    Bom post, mas sua crítica foi feita apenas num sentido...

    ResponderExcluir
  5. Velho, eu Gosteeei muitoo do Filme. Não acho que tenha sido tão ruim assim.

    ResponderExcluir
  6. Então... Conheço várias pessoas que gostaram. Eu não gostei. Talvez por adorar o livro da Anne Rice tenha criado expectativas quanto à adaptação cinematográfica. Sei que livro é livro e filme é filme, mas esse não me ganhou. Volte sempre!

    ResponderExcluir
  7. Não gostei, o Lestat tá muito gay nesse filme...

    ResponderExcluir
  8. Pois é, Fábio... Mas ele é muito gay (pelo menos nos livros).
    Beijos!

    ResponderExcluir